Compartilhar

Todo mundo sabe que pagar boletos pode gerar uma tremenda dor de cabeça. Não somente pelo valor gasto, mas também pela demora.

Você contrata um serviço ou tem ele suspenso por falta de pagamento, decide regularizar a situação e opta pelo boleto. O problema é que mesmo realizando o pagamento no mesmo dia, nada garante que o serviço contratado seja ativado. O motivo? O processamento pode demorar até TRÊS dias úteis.

Mas até o final de 2020, você poderá realizar pagamentos ou transferências instantaneamente e abandonar de vez os DOCs e TEDs. Pelo menos é o que afirma o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Quem realiza transferências bancárias sabe que os TEDs, até o momento, continuam sendo a opção mais rápida, pois são processados ainda no mesmo dia. Contudo, não são instantâneos. Já os DOCs, são concluídos após um dia útil.

Campos Neto foi questionado sobre outros detalhes do sistema, mas preferiu não responder. Ele ainda afirmou que não sabia nem se poderia ter revelado que o nome do sistema será Pix.

---

fonte: soparacuriosos

FAQ Adeus, DOC e TED; Banco Central anuncia o ‘Pix’ | Inovarti Soluções Avançada em E-Commerce Magento

Instant payments (IP) ou traduzido do inglês: Pagamento Instantâneo (conhecido também pela sigla PI). Pagamento Instantâneo é então uma nova maneira de pagamento digital que transfere o valor em segundos. Comparados às transferências eletrônicas existentes (tais como: TED, DOC, Boleto e Cartão de Crédito), O Pagamento Instantâneo permite a transferência de dinheiro da conta bancária do pagador para a conta bancária do beneficiário quase que imediatamente á qualquer hora e sem intermediadores. Sendo assim, mais barato e mais eficiente.
Em entrevista recente, Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central do Brasil, revelou que o novo sistema de Pagamento Instantâneo brasileiro se chamará: Pix.
Em outros países, esse meio de pagamento já é uma realidade. Na Índia temos o: UPI (Unified Payments Interface) Na Europa temos o: PSD2 No México temos o: CoDi Nos EUA temos o: Zelle E no Brasil temos o PIX Ao chegar por aqui, o Pagamento Instantâneo deve beneficiar a todos. Pois será possível fazer transferências entre pessoa física, para empresas e até órgãos governamentais.
Com o uso do Pagamento Instantâneo as transferências de valores poderão ser feitas em tempo real, mesmo fora do horário comercial. Além disso, essa modalidade promete ter taxas bem menores do que os serviços já disponíveis, como: TED, DOC, Boleto e Cartão de Crédito. O novo sistema de pagamento virá com grande potencial para substituir e extinguir os métodos de pagamentos existentes, tais quais: TEDs, DOCs, Boletos e até os Cartões de Crédito (Sim até os cartões! Isso porque a tecnologia será altamente difundida por sua facilidade de uso e o baixo custo operacional que será equivalente ao custo de registro de um boleto hoje que é feito pela CIP do BC. Facilitando e desburocratizando assim os métodos de pagamento.
As vantagens são: - Confirmação de pagamento em imediato! Aprovação da transação no máximo em 5 segundos; - Funcionamento 24/7/356 (Ou seja, 24h por dia em todos os dias do ano sem nenhuma interrupção); - Sem limites! Seja para pequena (microtransações) e grandes transações; - Facilidade da transferências entre pessoa física, para empresas e órgãos governamentais. - Fácil e prático!
O Banco Central vem trabalhando pelo menos desde 2018 em um sistema de pagamentos instantâneos que deverá substituir os métodos atuais em conjunto com o Open Banking. O governo brasileiro pretende lançar o Pagamento Instantâneo até final de 2020.
O Pix manterá os registros das transações no Blockchain. isso facilitará muito as análises de crédito (Basicamente podemos consultar o histórico de compras passada do cliente. E o Blockchain também informará quantas contas no PIX o cliente possui, e se possui inadimplência ou não. Hoje o custo do registro de um boleto está em uns 16 centavos, porém o registro dos boletos somente pode ser feito por instituições bancária. Já o Pagamento Instantâneo PIX entrará no conceito Open Banking, o que permitirá a qualquer fintech o uso da tecnologia, eliminando por assim o oligopólio dos grandes bancos (Onde no Brasil temos apenas 5).
Compartilhe:
Artigos Relacionados
Recomendamos para você